"sua realidade segura por um fiapo de cabelo"

Os Famosos Duendes da Morte [resenha]

Título original: Os Famosos e os Duendes da Morte
Direção: Esmir Filho
Roteiro: Esmir Filho e Ismael Caneppele, baseado em livro de Ismael Caneppele
Produção: Sara Silveira e Maria Ionescu
Elenco: Henrique Larré, Ismael Caneppele, Tuane Eggers, Samuel Reginatto.
Gêneros: Drama.
Tempo: 1h35min.
Ano: 2010.
País: Brasil.

Filme – Os Famosos Duendes da Morte

O filme inicia com um garoto assistindo o vídeo de uma linda garota com o namorado (Julian). E pouco antes ele escreveu em seu blog um poema que narra sutilmente toda a história do filme. A trama se passa em uma pequena colônia no Rio Grande do Sul.

Em uma cena extremamente trabalhada pelo diretor, este garoto aparece fumando maconha com seu melhor amigo no trilho de trem que corta a cidade. Esta cena tenta retratar o efeito que o entorpecente causa aos jovens e as alucinações, junto do tempo correndo em velocidade reduzida e prazerosa.

Ao decorrer vemos outra cena delicada, o jovem e seu amigo Diego encontram Julian (namorado da garota Jingle Jangle que estava no vídeo). Após isso ele começa a ter alucinações com a garota e o vídeo da vida dela correndo pela ponte que fica na divisa da cidade com o restante do mundo.


Outro momento ele sonha com Julian, o mesmo que ele havia encontrado na rua, este homem estava tocando flauta, sentado em um banco e iluminado por holofotes, como se estivesse em um show, depois disso o garoto vê a garota de camisola na ponte.

Após o dia passar este jovem escreve em seu blog uma poesia para ela: “Estar próximo não é físico”. Em outro vídeo que ele vê, sua alucinação vai além e ele sente como se estivesse afetuosamente junto dela. Com isso nos mostra como ele se conecta não fisicamente com a garota virtual.

[Trilha Sonora por Nelo Johann]

Por meio do programa de computador de conversa instantânea, MSN, ele tem diálogos com alguém, em suas palavra ele diz querer acabar com tudo isso, a pessoa de nickname “E.F.” responde a ele “na ponte?” “Voe para longe!”. Isto nos faz pensar o que o garoto busca e como irá voar para longe, com vida ou sem ela.

Esta obra tem pouco diálogo, pois as cenas são carregadas de sentimento e de significado que nos fazem compreender toda a trama, já as poucas falas são extremamente poéticas.

Em uma forte cena de um pesado sentimento melancólico, antes do amanhecer o garota passa próximo a casa e Julian e o vê na janela de seu quarto ascendendo e apagando a luz em um pequeno intervalo de tempo. Já ao clarear do dia frio e cinza da cidade, o jovem visita sua avó que o deixa por alguns minutos junto de seu avô que só compreende e fala alemão e o observa com muitas dúvidas, como se não conhecesse seu neto, uma triste contato que mostra o mundo que os separa, pouco antes disso sua avó diz que sonhou com seu jovem neto, em seu sonho ela caminhava próximo a porta de seu quarto e o ouvia chorar. Podemos perceber que sua solidão e tristeza é percebida por sua avó que sente como está seu neto com mais clareza ou com mais sentido que sua mãe que o vê diariamente, mas que mesmo não tem a mesma percepção que a avó.

Logo ao sair da casa de sua avó ele se aproxima da ponte e lá encontra muitas pessoas e inclusive seu melhor amigo Diego, que conta o que houve com a mulher que cometeu suicídio pulando da ponte, esta que está boiando morta na outra margem do rio, enquanto muitos na ponte fazem seu velório enquanto aguardam que o resgate chegue para recolher seu corpo, esta que era a mãe de duas crianças órfãs de pai e agora de mãe, colegas dos jovens na escola. A justificativa dela para tal ato segundo o que dizia em seu bilhete, era que precisava ver o pai das crianças (morto a dois anos). Ao decorrer as imagens mostram os momentos do suicídio. Em uma conversa que o jovem tem com seu amigo enquanto observam o corpo, o jovem diz que parece que a ponte o puxa para baixo. A partir daí ele começa novamente a ver imagens da misteriosa garota com Julian, ambos estão na ponte prontos para pular, então a vemos pular para ela findar sua jovem vida neste ponto de divisão entre a colônia e o caminho que os libertam desta melancólica e fria cidade. Então o Diego, começa a contar o que causou na família o suicídio de sua irmã, esta que é a mesma garota dos vídeos e das alucinações.


Diego fotografa o rosto do jovem sem nome, no momento em que ele salta da mureta da entrada de sua casa, tal cena faz referência quando fala que queria fotografar o rosto deles (suicidas) no momento em que saltam para a morte, pois ele queria ver se no último momento eles se arrependem.

Já em casa o jovem, discutindo com sua mãe por não ter levado flores no túmulo do pai, eles dizem alguma palavras impactantes:

“Mais tarde quando você ver, teu tempo ficou aqui nessa casa” – mãe.
“Dava um tempinho pra você visitar seu pai.”
“O veio já apodreceu e tu fica fazendo visitinha pra ele”
“Se tu não se importa, eu me importo” – mãe.

Na noite da festa junina, evento que reúne toda a colônia, o jovem está só encontra por acaso com o namorado da garota, encostado em seu fusca branco, eles bebem e o namorado da garota fuma maconha, eles decidem sair de lá e ir para algum lugar, sem planos, até que eles chegam ao trágico local da ponte, este mesmo local onde a garota se suicidou, nesta cena podemos ver as lágrimas nos olhos dos dois por lembrar da mesma garota amada por eles, esta ponte parece não terminar nunca, enquanto isso o rádio cruza com duas rádios, uma toca as músicas da festa junina, cantada em alemão e outra que toca a música tema. Depois de atravessarem com grande pesar a ponte que foi o ponto de suicídio de muitos, eles chegam a uma plantação e a atravessam a pé, até chegar em uma rede de distribuição de energia elétrica, lá ambos tem alucinações de serem acariciados com afetos pela garota, próximos aos cabos de alta tensão, os rostos dos três se tocam e a iluminação da cidade ou colônia acaba, provocada por alguma coisa que fica livre a compreensão do espectador.

O garoto aparece na festa com o semblante triste como se estivesse se despedindo de sua mãe, ele dança com ela e a abraça chorando, e some e a deixa aos prantos. Após esta triste cena ele aparece na ponte, como se estivesse se preparando para o suicídio, mas esta obra termina com a silhueta do garoto sumindo aos poucos ao longo da ponte como se estivesse atravessando a ponte para o outro lado e nos fica a dúvida para saber se ele cometeu suicídio ou se foi para fora da melancólica cidade, com destino ao desejado show do Bob Dylan que era
o objetivo do jovem no início do filme.

Esta obra retrata uma melancólica e triste paixão platônica de um garoto pela irmã suicida de seu melhor amigo. A história não está nos diálogos e sim nas imagens fantásticas, que mostram o presente e o passado se encontrando em um paradoxo temporal em uma mente criativa e adolescente de um apaixonado. Esta é uma bela e poética obra de arte que nos comove e busca nos fazer compreender os anseios de um adolescente em uma cidade distante do mundo e voltada para os costumes do passado que se chocam com a realidade virtual e com as novas gerações que querem um mundo novo. A trilha sonora foi escolhida com extremo cuidado pois nos ajuda a conectar completamente com esta obra.

Filme gravado nas cidades de Lajeado, Arroio do Meio, Estrela, Roca Sales, Teutônia e Catiporã, no Estado do Rio Grande do Sul.

Links Relacionados:

Desintegration

Site do Filme: [Link]

Entrevista com o Diretor: [link]

Premiações

FESTIVAL DO RIO
Ganhou
2009 – Redentor de Melhor Filme
2009 – Prêmio FIPRESCI

FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA DE GUADALAJARA
Ganhou
2010 – Prêmio Público Milênio de Melhor Longa Iberoamericano de Ficção
2010 – Melhor Fotografia para Mauro Pinheiro Jr. (categoria Longa Ficção)
2010 – Prêmio FIPRESCI

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s